Cuidados pós esvaziamento axilar

Depois de quase 2 meses da mastectomia e de todo aquele processo longo e angustiante, estou completamente cicatrizada, satisfeita com o tamanho das mamas e com o formato delas (que eu escolhi juntamente com a Dra. Marcela). O tempo é realmente o senhor de todas as coisas. No início fiquei triste, angustiada, agoniada e achando tudo feio e hoje, depois de meses, já estou tranquila e esperando a segunda fase da cirurgia que será feita só depois que eu terminar  o Xeloda.

A minha mastectomia foi feita juntamente com o esvaziamento da axila esquerda e retirada do linfonodo sentinela na axila direita. Meus movimentos estão excelentes, dou esse crédito ao Dr. João que foi super cuidadoso na minha cirurgia e, também à minha fisioterapeuta Raquel que me reabilitou com sessões fisioterapia e drenagem. Os cuidados que devo ter com os meus braços são para o resto da vida.

Captura de Tela 2018-04-24 às 20.29.58
        Fonte: Inca

Se você não sabe nada sobre câncer e não tem contato com esse mundo, na certa deve estar se perguntando o motivo desse cuidado todo… Bom, caso eu não me cuide e sofra alguma queimadura, me corte, carregue peso e etc, eu posso desenvolver linfedema. O linfedema é um acúmulo de líquido no braço gerado por uma alteração na circulação linfática. Uma vez instalado, torna-se uma doença crônica. Eu sou extremamente cuidadosa e não quero nem saber de mais um problema na minha vida!

Sendo assim, percebi que se eu digitar em excesso, sinto dores nos braços, por isso, procuro realizar minhas atividades sempre nos meus limites e não mais que isso. Evito escrever (sou canhota e o esvaziamento foi do lado esquerdo), apenas escrevo o estritamente necessário (até troquei meus cadernos pelo meu notebook), não pego peso, não tiro sangue e não afiro a pressão no braço esquerdo, fico ligada para não me queimar ou me cortar e também não faço força com meus braços. Não vou negligenciar minha saúde, por isso sou cuidadosa nesse quesito.

Antes eu era super acostumada a estudar fazendo resumos imensos, agora eu tenho que me virar para fixar os conteúdos com outros métodos, enquanto isso fico testando novas formas de estudar. Uma hora chego lá… Preciso realizar uma atividade física logo, mas ainda estou enrolando porque não me sinto disposta para isso e também morro de medo de lesionar meus braços, preciso preparar meu psicológico e me sentir bem para isso. Uma coisa de cada vez, de pouquinho em pouquinho eu me readapto à minha nova vida.

Beijos,

Bel ❤️

Como reagi aos 14 dias de Xeloda (Quimio Oral)

IMG_1064.JPG

Bem que eu gostaria de fazer review de maquiagem ou de algum outro produto, mas é só o review da quimioterapia oral mesmo (ou Xeloda como preferir).

Eu, com toda a minha esperança, fé e positividade, esperava que os 14 dias com o Xeloda fossem tranquilos como o Dr. João disse que poderia ser, ele me disse que há pacientes dele que tomam e não sentem nadinha. Mas acho que para variar só um pouquinho eu estou fora das estatísticas… Incrível como sempre sou premiada! Minha primeira experiência com o Xeloda não foi das melhores, todo dia era uma novidade.

Senti enjoos que driblei com o velho e bom Vonau, senti dores nas pernas e cansaço, meu apetite foi de fome de leão ao zero apetite! Sem contar com o meu mau humor, quem convive mais comigo percebeu.  Eu fiquei extremamente irritada, mas eu sei que esse não é o meu normal. Foi algo que fugiu do meu controle, eu acordava irritada e ficava assim o dia todo, aos poucos tudo foi amenizando mais. Começaram a surgir algumas manchas escuras nos meus dedos das mãos e as unhas dos pés estão ficando super escuras, de novo. Mas tudo bem, daqui alguns meses tudo voltará ao normal.

Agora estou fazendo a pausa de 7 dias, na próxima semana farei exames de sangue e levarei para o Dr. João analisar e então começo mais 14 dias da medicação.

O caminho é árduo mesmo, ninguém disse que seria fácil. O Xeloda é uma medicação forte, apesar de ser em comprimidos não deixa de ser quimioterapia, não é? Não há recompensa sem luta, sem esforço e sem dor e, se essa é a minha cruz, vou carregá-la até o fim. Eu acredito que nós conduzimos nossa vida de acordo com nossos pensamentos,  por isso acredito na minha cura e sei que isso é claramente possível de acordo com todas as medidas que têm sido tomadas.

Minha rotina tem se dividido entre medicamentos, consultas, terapias e a minha reinserção ao mundo, aos pouquinhos tenho tentado retomar alguns hábitos antigos,  como dirigir, sair com as amigas (programas leves), ir à aula… Não tem sido fácil, mas a sede de viver esse mundo continua imensa e o meu coração bate ansioso esperando por isso.  Um dia de cada vez.

Beijos,

Bel ❤️