1 ano de diagnóstico, 7º ciclo de Xeloda e um susto: tudo na mesma semana

       Senta que lá vem textão.

    Essa vida pós câncer não é nada fácil. A verdade é que a minha vida está super corrida, as férias acabaram e minhas aulas voltaram, estou fazendo matérias a mais, tenho minhas consultas, meus projetos, a rotina da medicação e por aí vai… Agora imagina conciliar tudo isso? Pois é. Uma bagunça. Mas eu não reclamo, não reclamo mesmo. Eu estou satisfeita assim, prefiro ter uma vida agitada ao invés de ficar parada.

    Essa semana iniciei o penúltimo e 7º ciclo do Xeloda e eu estou com grandes expectativas para acabar com isso logo, quero comemorar o fim dessa etapa que estou vencendo. Tenho levado o tratamento da seguinte maneira: são fases que passo e venço uma por uma!

    Os últimos dias foram bem difíceis…. Eu senti um nódulo na mama, palpável e perceptível a olho nu. Fiquei bem angustiada. Não é porque eu passei pelo câncer que eu estou preparada pra ficar levando esses sustos. Fui ao Dr. João, e é claro que ele pediu ultrassom para investigarmos. Passou todo um filme na minha cabeça e eu senti medo, muito medo. Medo de ser uma recidiva, medo de passar pelas quimioterapias novamente, medo de passar por tudo de novo. Eu tento manter a calma, mas para quem já teve câncer, ter um nódulo é assustador. No outro dia fiz ultrassom e graças a Deus não passava de um cisto de água, nada grave. Mas até eu ter essa confirmação eu perdi noites de sono, eu fiquei ansiosa e o meu emocional se desestabilizou completamente, mesmo que eu não externasse isso. Eu senti um frio na barriga muito grande, fiquei extremamente sensível… Realmente não desejo isso que eu passo para ninguém. Mas tudo bem, não passou de um susto muito chato.

     E olha que ironia da vida? Essa semana eu completo um ano de diagnóstico. E mesmo que tenha se passado um ano do pesadelo que eu vivi ao receber o diagnóstico, não consigo me esquecer da sensação, da dor e de tudo que passou pela minha cabeça no dia em que tive a notícia de que estava com câncer. É que ainda dói, embora eu consiga falar sobre isso muito bem, dói lá na alma relembrar tudo, foi muito sofrido. Só que vendo por outro lado, eu achava que não acordaria desse pesadelo e que ficaria presa naquele sofrimento todo, mas veja bem… Passou!!! Tudo passa nessa vida. E nesse um ano a minha vida virou do avesso e eu me transformei. Os meus conceitos, ideais e planos mudaram completamente, me aproximei de Deus, pude ter o privilégio de conhecer pessoas maravilhosas, passei por um mix de sensações e sentimentos, me descobri e me redescobri e só tirei coisas boas de tudo isso!

        Vivi e senti na pele a verdadeira essência da tal resiliência, e olha… me ajudou muito, muito mesmo. Tenha em mente que nada é para sempre, que momentos ruins passarão e que hoje sua vida pode estar nublada e em tempestade, mas depois vem o arco íris e depois desse arco íris vem o sol! Tenha otimismo, mantenha a cabeça erguida e nunca perca a sua fé. Tudo isso me ajudou e ainda me ajuda para que eu siga cada dia enfrentando meus medos e dificuldades e superando um por um.

     Hoje eu estou reaprendendo a me encaixar nesse mundo que não parou enquanto passei por tantas metamorfoses. Não quero ser repetitiva, mas já sendo: um dia de cada vez, sempre.

      Tudo passa.

PHOTO-2018-07-28-14-45-29
A prova de que tudo passa… coloquei as fotos em ordem cronológica! Essa sou eu ao decorrer do tratamento =) cabelos cada dia maiores, totalmente desinchada e mais feliz!!!  ❤
pinteres
FONTE: pinterest // @itktreinamentos

Beijos,

Bel ❤️

Vamos falar de gratidão?

     Hoje eu decidi vir falar de gratidão. Essa palavra tão simples, com 8 letrinhas apenas, mas que tem tanto significado e que ultimamente tem feito tanto sentido na minha vida. Antes de passar por esse turbilhão de coisas eu vejo que eu não era nada grata, que Deus me perdoe. Eu reclamava de situações pequenas e que me tiravam do sério, não tinha muita tolerância e qualquer coisinha era sinônimo de muita dor de cabeça.

      Talvez esteja na essência do ser humano ser insatisfeito e reclamar de tudo, mas isso não é certo. O nosso erro é querer sempre mais do que temos e acharmos que a grama do vizinho é sempre mais verde. Aprendi e entendi nesse último ano que devemos ver o lado bom de tudo e a vida pode sim ser mais leve, isso depende apenas de nós mesmos.

    Graças a Deus eu tenho tido a oportunidade de conviver com realidades totalmente opostas à minha, isso tem me feito refletir o quanto sou privilegiada e o quanto eu devo ser grata. Esse choque de realidade tem me feito ser uma pessoa extremamente agradecida pela vida que tenho. Que bom que a minha percepção mudou e que bom que eu consigo enxergar a vida de outra forma.

     Hoje eu quero agradecer. Agradecer por ter pais maravilhosos e por ter como mãe uma mulher excepcional, agradecer por ter pessoas que me amam e me apoiam ao meu lado, agradecer por ter um lar, agradecer por ter saúde, agradecer por ter uma boa assistência médica, agradecer por ter a oportunidade de ter acesso à uma boa educação, agradecer por acordar e respirar, agradecer por simplesmente ter motivos para agradecer! Deus tem sido muito bom comigo, hoje me sinto uma pessoa mais leve, mais tranquila e muito mais paciente. Foram os aprendizados que adquiri nesse último ano, mas não fique aí pensando que tudo isso veio de graça, teve um preço alto e esse preço foi o câncer, mas vejo tudo isso com muita parcimônia e apenas aceito e agradeço.

      Ser uma pessoa grata – ao meu ver – não quer dizer que sua vida é perfeita,  que você não enfrenta problemas ou dificuldades, mas sim que você tem a capacidade de ver o lado bom de tudo, de extrair aprendizados, de ser resiliente, de buscar e encontrar felicidade e principalmente de que você é uma pessoa capaz. Tudo o que sentimos depende de nós mesmos e as coisas da nossa vida tem o tamanho da importância que atribuímos a elas. Nós somos responsáveis pelo que sentimos. Então vamos aceitar e agradecer.

    Você já foi grato hoje?

Beijos,

Bel ❤️

Relação Médico x Paciente – 9 de Julho Dia do Oncologista

     Quando tive o meu diagnóstico há quase um ano atrás eu estava totalmente perdida, mas com a graça de Deus os meus padrinhos me levaram até o Dr. João. Eu cheguei no Dr. João desesperada, sem esperanças, muito assustada e achando que estava com o meu tempo de vida contado, afinal eu nem sabia ao certo a dimensão do problema que eu teria que enfrentar. O Dr. João me mostrou que o que eu faria seria um tratamento curativo e, desde então, ele cuidou de mim da melhor maneira possível.

    Depois de receber o meu diagnóstico de uma maneira tão desumana – por outro profissional – eu pude ter o privilégio de ser muito bem acolhida pelo Dr. João que é um profissional excepcional, humano, amoroso, atencioso, extremamente inteligente, do bem… Eu poderia passar uma manhã inteira escrevendo elogios sobre ele, mas posso adiantar que ele é tudo isso que eu disse e muito mais! Enfim, só tenho a agradecê-lo, pois poucos têm a oportunidade de ter acesso à profissionais como ele.

     Embora o Dr. João seja sempre mais radical comigo (ele é o meu malvado favorito rs), eu sei que ele só faz mais do que o possível para que eu fique bem e para que essa história de câncer não me atormente nunca mais. Eu sempre questiono tudo, pois isso faz parte da minha essência enquanto ser humano, mas aceito muito bem as ordens do Dr. João no que diz respeito à minha saúde… É que ele tem poder de veto em várias das minhas decisões! Eu gosto tanto dele que por mim, além de masto e onco ele poderia ter todas as outras especialidades possíveis. Os outros médicos que me perdoem, mas para mim ele é um oráculo e eu confio em tudo o que ele diz. Essa confiança do paciente para com o médico é essencial.

    Me acostumei a ver o Dr. João muitas vezes durante esse quase um ano de tratamento, seja no Cettro, seja no Hospital (quando estive internada, quando coloquei e tirei o cateter, quando passei pela mastectomia…) e logo logo essa parte mais densa do meu tratamento irá acabar e os nossos encontros serão menos frequentes. Por um lado isso é muito bom, porque quer dizer que eu estou “livre” de algumas partes do tratamento e entrarei para a famosa remissão, por outro lado é bem chato, porque eu o verei menos e criei um vínculo com ele e com o pessoal do Cettro.

     Certamente, ter passado pelo câncer com os funcionários do Cettro e com o Dr. João tornou tudo mais leve. Acredito nisso porque eles colocam amor (muito amor) em tudo o que fazem. E, querendo ou não, nessa fase de provação que é o câncer, nós nos tornamos muito dependentes daqueles que estiveram ao nosso lado. Nunca vou me esquecer o fato de que o Dr. João segurou a minha mão em um dos momentos mais difíceis desses meus 21 anos de idade: a mastectomia, lembro-me de adormecer com ele e com minha madrinha ao meu lado. Sou grata, eternamente grata.

     Então, o que fica aqui é a minha eterna gratidão ao Dr. João Nunes!!!! Na minha humilde opinião ele é o melhor oncologista do mundo! Eu realmente sinto um carinho e uma admiração muito grande por ele, não tenho nem dimensões para explicar isso… Para mim, ele é um exemplo de profissional, homem, ser humano, além de ser um dos grandes responsáveis por ter me deixado aqui, cheia de vida, cheia de saúde e mais sonhadora do que nunca! Eu jamais trocaria de oncologista, essa é uma das maiores certezas que eu tenho.

     Obrigada, Dr! Por todo o cuidado, por me dar esperanças, por salvar a minha vida e por ter me deixado com muita saúde! Parabéns pelo seu dia! Continue inspirando muitas pessoas e salvando muitas vidas por aí. You are the best!!!! ❤️❤️❤️❤️❤️❤️

” ]

Beijos,

Isabel ❤️