Transformando dor em aprendizado

Essa semana completo dois anos de diagnóstico.

Esses dias estou mais pensativa, mas ao mesmo tempo grata por estar bem. E é por isso que hoje eu escrevo sobre o que a dor já me ensinou…

1. Percebi que todas as vezes que aceito uma situação que eu não posso controlar, eu cresço.

2. Percebi que as maiores transformações que vivi sempre aconteceram fora da minha zona de conforto.

3. Entendi que Deus não pune, não castiga, não condena. Ele apenas me prepara para o que a vida me reserva.

4. Não romantizo o que eu vivi, mas aprendi que só tendo coragem e enfrentando as situações de cabeça erguida que é possível vencer.

5. Ter fé é imprescindível.

6. Meus piores dias foram os que mais me ensinaram a dar valor na minha vida.

7. Viver um dia de cada vez tem sido a máxima. Tudo passa.

8. Aprendi a não ter medo de me afastar de pessoas, lugares, coisas e situações para me recompor. A minha paz não tem preço.

9. Alguns dias são mais difíceis que os outros, algumas coisas voltam à tona mesmo depois de todo esse tempo, e tá tudo bem, sabe?

10. Minha paz de espírito está sempre em primeiro lugar.

É isso. Acredito muito que tudo depende da nossa capacidade de resiliência.

4 momentos distintos meus para mostrar que o tempo se encarrega de tudo ❤️

Com amor,

Bel ❤️

10 lições que aprendi com o câncer

Quase dois anos depois de toda a reviravolta que eu vivi, posso afirmar que nada na nossa vida é por acaso. Tudo tem um motivo maior e tudo deve ser transformado em aprendizado.

Baseado nisso, fiz uma lista com 10 lições que aprendi com o câncer:

1. Não se culpe por ter tido ou por ter câncer, a culpa não é sua. Você não é culpado, largue essa ideia de que câncer é mágoa repreendida.

2. Pare de se comparar com os outros, cada caso é único. Cada câncer é um câncer! No máximo, se inspire com a história das pessoas, mas jamais se compare.

3. Nós não temos controle absoluto sobre nossa vida, portanto, você não pode mudar muita coisa durante o tratamento, mas você pode mudar sua postura diante das dificuldades. Enfrente e não abaixe a cabeça para os desafios que a vida está lhe impondo.

4. Independente de sua religião, tenha FÉ! Confie. Saiba que toda oração e todo pensamento positivo é bem vindo.

5. Se permita sentir. Se quiser chorar, chore. Se quiser sorrir, sorria. Se quiser ficar sozinho, fique por um momento. Se respeite, respeite os limites do seu corpo. Você tem esse direito.

6. Se agarre e se mantenha por perto das pessoas que te fazem bem. Se afaste de pessoas, energias e comentários negativos. Você não é obrigado a nada e muito  menos precisa puxar essa carga negativa para você.

7. Seja positivo, acredite que as coisas vão dar certo, queira vencer. Eu sei que é MUITO difícil passar por um câncer, mas eu acreditei e, ao meu ver, isso influenciou e ainda influencia positivamente toda a minha jornada. Não deixe de levar sua ajuda e sua superação para quem precisa, você pode ser uma grande inspiração.

8. Não deixe de seguir as recomendações médicas e também não acredite em curas milagrosas que postam pela internet. Acredite no profissional que cuida de você, ele estudou e é capacitado para isso. Siga à risca as recomendações dele.

9. A vida é feita de ciclos. Tudo passa. Perder os cabelos, engordar com o tratamento, ter o corpo mutilado, passar por cirurgias… Eu sei, é terrível… Mas tudo passa. Confie.

10. Pare de de se importar com coisas, pessoas e situações que não merecem a sua atenção. Aprenda a se colocar em primeiro lugar também, se ame, se observe. Isso não é egoísmo, é amor-próprio, é autocuidado e não há nada de errado com isso.

Essa é a minha lista. Eu sei que cada paciente é único e cada um tem as suas próprias experiências, mas essas são as maiores lições que eu levo.

O que fica é o aprendizado.

Com amor,

Bel ❤️

Convivendo com um fantasma

A vida vai voltando ao normal, ou pelo menos eu tento fazer com que ela volte.

Costumo dizer o quão difícil é ter tido câncer, isso, porque qualquer dor, qualquer sintoma atípico acaba tomando proporções muito maiores do que realmente deveriam ter. Até comentei com minha mãe que eu convivo com um fantasma do câncer ao meu lado. Bom, eu tenho fé, mas mesmo assim esse fantasma me assombra, afinal é inevitável não ter medo, eu sou humana, eu tenho minhas angústias e as minhas fragilidades.

Há algumas semanas atrás comecei a sentir uma dor terrível nas costas… Cheguei a tomar remédios para dor, relaxante muscular, anti-inflamatório e fiz compressa gelada, mas a dor não passava. Por fim, decidi ir ao pronto socorro, o médico me receitou um remédio similar a morfina, mas ainda assim a dor não passava. Eu comecei a ficar apavorada. É que nessas horas eu começo a pensar em milhares de possibilidades e passa um filme de tudo o que eu vivi na minha cabeça. Até que no final das contas fiz uma ressonância do ombro e da coluna e me consultei com outra profissional de minha confiança. Pela graça de Deus, no resultado da ressonância deu uma tendinite no ombro direito e a Dra. diagnosticou com contratura muscular. Ela me receitou um anti-inflamatório,  salonpas,  compressa e spray anti-inflamatório. Eu saí tão aliviada e tão feliz do consultório dela… Felizmente eu já me sinto bem e sem dor hoje. Ufa!

A minha vida é assim… É conviver com a esse tal fantasma que me assusta e que me cutuca quando uma dor inesperada aparece. Mas também é conviver com uma alegria sem tamanho e com um alívio imenso quando descubro que não é nada demais. Eu realmente não sei se com o tempo isso vai normalizando, mas eu espero que sim.  Enxergo esses momentos como provações pelas quais devo passar. E se tem uma coisa que eu aprendi, é que eu devo retirar um aprendizado de cada situação vivenciada.

O que eu quero é aprender a conviver melhor com isso tudo. Eu sei que eu não posso deixar meus medos serem maiores que eu, também sei que não posso viver o resto da minha vida assim e é aí que eu entendo o quão importante é ter equilíbrio e sabedoria para lidar com esses momentos. Um dia de cada vez, sempre.

processos

Beijos,

Bel ❤️