Como reagi aos 14 dias de Xeloda (Quimio Oral)

Bem que eu gostaria de fazer review de maquiagem ou de algum outro produto, mas é só o review da quimioterapia oral mesmo (ou Xeloda como preferir).

Eu, com toda a minha esperança, fé e positividade, esperava que os 14 dias com o Xeloda fossem tranquilos como o Dr. João disse que poderia ser, ele me disse que há pacientes dele que tomam e não sentem nadinha. Mas acho que para variar só um pouquinho eu estou fora das estatísticas… Incrível como sempre sou premiada! Minha primeira experiência com o Xeloda não foi das melhores, todo dia era uma novidade.

Senti enjoos que driblei com o velho e bom Vonau, senti dores nas pernas e cansaço, meu apetite foi de fome de leão à fome de passarinho! Sem contar com o meu humor, quem convive mais comigo percebeu, alô mãe!  Eu fiquei extremamente irritada, mas eu sei que esse não é o meu normal. Foi algo que fugiu do meu controle, eu acordava brava e ficava assim o dia todo, aos poucos foi ficando mais moderado. Começaram a surgir algumas manchas escuras nos meus dedos das mãos e as unhas dos pés estão ficando super escuras, de novo. Mas tudo bem, daqui alguns meses tudo voltará ao normal.

Agora estou fazendo a pausa de 7 dias, na próxima semana farei exames de sangue e levarei para o Dr. João analisar e então começo mais 14 dias da medicação.

O ponto X da questão é: câncer nunca mais! O caminho é árduo mesmo, ninguém disse que seria fácil. O Xeloda é uma medicação forte, apesar de ser em comprimidos não deixa de ser quimioterapia, não é? Não há recompensa sem luta, sem esforço e sem dor e, se essa é a minha cruz, vou carregá-la até o fim. Eu acredito piamente que nós conduzimos nossa vida de acordo com nossos pensamentos,  por isso acredito na minha cura e sei que isso é claramente possível de acordo com todas as medidas que têm sido tomadas. Para Deus absolutamente nada é impossível!

Minha rotina tem se dividido entre medicamentos, consultas, terapias e a minha reinserção ao mundo, aos pouquinhos tenho tentado retomar alguns hábitos antigos,  como dirigir, sair com as amigas (programas leves), ir à aula… Só que não tem sido fácil, mas isso é assunto para outro texto. A sede de viver esse mundão à fora continua imensa, meu coração bate ansioso esperando por isso, mas ainda tem chão por aí… Um dia de cada vez!

IMG_1064.JPG
Fé? Tenho! Força de vontade? Tenho! Acreditar? Acredito.  Falta o quê? Nada, porque para Deus, nada, absolutamente nada é impossível! E com esse pensamento positivo… posso conquistar o que eu quero. Acredito, confio e aceito. 

Beijos,

Bel ❤️

Quimioterapia Oral: Xeloda

Iniciarei um novo tratamento: a quimioterapia oral. Só de pensar em “quimioterapia” as pessoas se apavoram, mas todos têm me dito que essa é mais “tranquila”. Ontem comecei o Xeloda aka Capecitabina, é uma quimioterapia oral e que no meu caso irá substituir a radioterapia. O Xeloda é um medicamento que normalmente pacientes com metástase utilizam, mas eu não tenho mais câncer (o Dr. João que disse), quem dirá metástase. É importante saber que cada caso é um caso.

O Dr. João me receitou 6 meses de Xeloda e pelo que a farmacêutica do Cettro me orientou eu entendi que funcionará assim: são 6 comprimidos por dia, 3 pela manhã e 3 pela noite, devo me alimentar 30 minutos antes e devo tomar os comprimidos com água , não devo comer nada por 30 min depois. A quantidade de medicamento que eu tomarei é de acordo com o meu peso e altura, sendo assim, tomarei 3000mg de Xeloda por dia. Fui orientada a lavar as mãos muito bem antes e depois de manusear os comprimidos. Devo tomar os comprimidos com bastante água, aliás, devo me hidratar muito durante toda essa nova etapa do tratamento. Tenho que tomar esses comprimidos 14 dias seguidos e então faço uma pausa de 7 dias, depois começo por 14 dias de novo… A cada 14 dias serão 84 comprimidos ingeridos.  Será assim por 6 meses. Nesses intervalos de 7 dias devo fazer exames de sangue para ver se está tudo bem.

E os efeitos colaterais? Bom, não vou mentir, mas foi uma das primeiras coisas que logo me preocupei… O Dr. João me disse que há pacientes dele que não sentem absolutamente nada. Quando fui pegar a medicação no Cettro, a farmacêutica me mostrou um rol de efeitos colaterais: vômitos/enjoos, diarreia, a pele pode ficar sensível e suscetível à manchas (foi recomendado que eu utilize protetor solar todos os dias, mas já faço uso) e síndrome mão-pé que é um dos efeitos colaterais mais comuns (as mãos ficam extremamente sensíveis, podem ficar vermelhas, descamar, etc). Nesse período devo me alimentar bem e, pelo que entendi, devo ter os mesmos cuidados que eu tinha com as quimioterapias que fiz ano passado: me cuidar para não pegar infecções, caso tenha febre de 37,8ºC devo contatar o Dr. João, me hidratar bastante, me alimentar direitinho, nada de comer coisas cruas e que não estejam bem higienizadas. Espero que eu não sinta absolutamente nada!

Eu não fiquei contente com essa “novidade”, mas tenho consciência de que o Dr. João SEMPRE busca o melhor para que eu não seja atormentada outra vez com essa história de câncer.  Eu fiz uma festa em comemoração ao fim das quimioterapias, não tem problema, vou comemorar o fim do Xeloda no fim dos 6 meses de tratamento também. 😌 Penso que tudo é questão de ponto de vista e tudo depende de como a gente escolhe conduzir as questões da nossa vida. Eu vou viver minha vida – com prudência, é lógico – e vou ser feliz, o câncer escolheu a pessoa errada.

IMG_0750

IMG_0751
Minha nova quimioterapia em comprimidos 

 

Beijos,

Bel ❤️