Dando Tempo ao Tempo

Continuo com a quimioterapia oral (Xeloda), terminei o 3º ciclo e estou indo para o 4º ciclo. Minhas mãos estão bem ressecadas, embora eu as hidrate sempre, além disso, elas   deram uma leve escurecida (na palma e nas cutículas) e começaram a surgir manchas nos dedos das mãos e dos pés. O meu lema continua o mesmo: paciência, pois sei que é passageiro.  Minhas unhas antes do câncer eram fracas e quebradiças, durante o câncer ficaram manchadas e quebradiças e agora pós câncer estão fortalecidas e bem maiores.

Os últimos dias têm sido uma correria, minha rotina anda pesada e sempre estou cheia de afazeres. Não reclamo! Acho ótimo, pois só de me lembrar do ano passado e de toda a minha luta vejo o quanto estou bem e cheia de vida. Apesar de todos os efeitos chatinhos da quimio oral eu tenho conseguido levar bem a minha vida. Hoje acordei e fiquei feliz porque depois de meses eu levantei sem sentir dores nas articulações ou enjoos.

IMG_1944

Se no início de Janeiro eu estava super inchada, com 18kg a mais na balança e tinha apenas uns fiapos de cabelo e absolutamente nada de cílios ou sobrancelhas, hoje já estou desinchada (não sei se completamente) e também tenho muito cabelo  (para quem não tinha nada… considero muito), eles até estão me dando um belo de um trabalho para ficarem arrumadinhos e no lugar! Rs

O que eu quero dizer com essas fotos é que tudo passa, tudo passa mesmo, é tudo passageiro. Se você estiver passando pelo câncer ou conheça alguém que esteja passando por esse momento, não se desespera não!!! Volta tudo para o seu devido lugar, os cabelos crescem com mais força, as unhas também e nós nos descobrimos mais fortes (seja emocionalmente, seja fisicamente, embora tenhamos algumas sequelas pós qt) e mais belos, tanto por dentro, quanto por fora. Em hipótese alguma eu cortaria ou rasparia meus cabelos, mas aceitei tudo isso e tenho vivido cada fase com bastante aceitação e serenidade, pois sei que foi o que Deus reservou para minha vida. Aos poucos tenho saído de casa e tenho voltado à minha vida social no ritmo que percebo que é saudável.

IMG_1910
Eu e minha amiga Bianca! ❤ 
IMG_1946
Fonte: Pinterest

… e há mesmo!!!

Beijos,

Bel ❤️

Sobre aceitar a nossa própria história

Algumas vezes já escutei de mulheres que tem ou tiveram câncer que elas ficam sem jeito em relatar a experiência delas perto de mim, pois mesmo tão jovem eu falo sobre isso tão abertamente e encaro a situação de frente. A primeira coisa que quero dizer para você é que eu também sofri e sofri muito. Eu não sou a mulher maravilha e quem dera se eu fosse! A segunda coisa é que você deve respeitar os seus sentimentos, você deve aceitar a sua dor e deve viver não só essa fase, mas todas as fases da sua vida com toda a sua intensidade  e com o seu coração aberto.

Sofrer, chorar algumas vezes e até mesmo ficar triste é completamente aceitável nessa fase. Não se culpe por isso! A forma como eu encaro tudo não diminui em nada você ou a sua experiência. Sabe por quê? Nós somos seres individuais. Uma coisa que eu aprendi e que levo para a minha vida é que cada ser humano tem o seu próprio tempo para tudo, nós somos únicos. Sendo assim, aprendi que não devo me cobrar tanto, aprendi que eu tenho o meu próprio tempo para realizar os meus sonhos e minhas metas e que o que eu considero como ideal, não é o ideal de todos os seres. Então, se cobre menos, aceite o que você está vivendo! A aceitação é um grande passo a ser tomado, pois a partir do momento em que você aceita a sua condição, você já prepara o seu coração para o que está por vir, é um ato de coragem.

Considero como algo essencial ter fé e entregar nossa vida nas mãos de Deus, porque Ele sabe de tudo e Ele tem um plano muito maior para todos nós. Encarei o câncer como uma experiência de crescimento pessoal, espiritual e como algo necessário, eu tinha que ter passado por isso, foi a forma que me fez enxergar a vida de outro modo. Só que se você acha que para chegar até aqui e até esse pensamento foi fácil, pode desconstruir isso. Eu chorei também, eu me desesperei, eu senti muito medo e algumas vezes achei até que eu estivesse perto da morte, mas sabe o que saiu de tudo isso? Uma Isabel muito diferente, amadureci na marra e aprendi sob duras penas muitas coisas que eu levaria anos para entender e aprender caso eu não tivesse passado por isso.

Eu não odeio o que eu vivi, não tenho vontade de passar longe do Cettro (a clínica que faço tratamento) e também não fico nutrindo nada de ruim dessa fase, mas tudo isso decorreu de atitudes que partiram de mim com o meu coração aberto. Portanto, a dica que fica é: se aceite, tenha fé, faça planos, veja vida e um mundo de possibilidades além do câncer e não menos importante, mas essencial também: se apoie em quem te apoia e em quem quer te ver bem! Eu não tenho vergonha de ter tido câncer, não tenho vergonha da minha história e não tenho vergonha das minhas marcas, pois elas são a prova viva de tudo o que eu passei e sempre que eu olhar para elas ou para a minha história, eu me lembrarei de tudo o que me fez ser a pessoa que eu sou hoje.

IMG_1519
Fonte: Pinterest – não conheço o autor

Se aceita, viu?

Beijos,

Bel ❤️

Uma nova rotina pós câncer

 

Retomar a rotina não é fácil depois de ter passado por um tratamento pesado e desgastante. Eu escolhi retomar aos poucos algumas atividades que eu costumava ter antes do câncer (embora eu ainda esteja em tratamento). Na minha percepção tudo mudou, eu não sou mais a Isabel de antes… E sinceramente? Graças à Deus. Ninguém é o mesmo depois de um câncer, sinto que aprendi muito. Vivi e ainda estou vivendo essa fase com toda a intensidade que existe dentro de mim.

Aos poucos tenho procurado me reinserir aos contextos em que eu estava acostumada a viver antigamente, mas sempre respeitando os meus limites. E o engraçado é que muita coisa não se encaixa no mesmo lugar de antes. Meu círculo de amizades não é mais o mesmo (as enfermeiras que cuidaram de mim e minha fisioterapeuta são minhas  amigas também, eu criei um sentimento de afeto por todas), minhas prioridades e preocupações são outras, minha percepção sobre o mundo e sobre as pessoas mudou completamente. O meu olhar passou a ser outro, tive o privilégio de perceber o quanto nós, seres humanos, passamos por metamorfoses necessárias à nossa evolução. Devemos ser melhores sempre e, cada dia é uma oportunidade para isso.

Decidi por mim mesma que era a hora de voltar para a faculdade, mesmo com opiniões de pessoas que me amam dizendo que essa não era a hora, mas pela primeira vez, depois de meses eu pude ter a escolha do que fazer ou não com a minha vida e meu coração me dizia que eu deveria voltar sim, mesmo que não fosse fácil. Decidi voltar a dirigir aos poucos, vez ou outra bate insegurança, mas é tudo questão de tempo. Também decidi que é a hora de voltar a sair com minhas amigas, fazer as coisas que eu gosto, frequentar novos lugares, conhecer restaurantes novos (coisa que amo de paixão) e fazer tudo aquilo que me dá prazer.

Semanalmente tenho participado de uma reunião do Cettro que é um grupo de meditação com mulheres que tiveram câncer de mama e, além disso, ontem fui à uma roda de conversa da Ong Vencedoras Unidas que reúne mulheres que tiveram câncer de mama também. Embora eu seja a mais nova – sem exceção das vezes – nessas reuniões, eu sempre escuto muitos casos que me fazem refletir o quanto sou privilegiada por poder ter o melhor tratamento, o melhor oncologista, a melhor cirurgiã plástica, o melhor psicólogo, a melhor fisioterapeuta e as melhores enfermeiras que existem ao meu lado!!! Acho muito importante e bacana essa troca de experiências. Confesso que antes, bem lá no início, eu achava que não me sentiria muito à vontade com esses grupos de apoio, mas agora eu amo porque conheci muitas pessoas legais, é um mundo novo, com pessoas maduras que, mesmo que sejam mais velhas, me entendem muito e me acolhem de uma maneira linda!

Comecei o segundo ciclo do Xeloda na última semana, sem muitas intercorrências até agora, ainda bem! E avante!

Facetune_14-04-2018-11-35-19
Abri esse livrinho e, por acaso caiu nessa mensagem que fez todo o sentido para mim… 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Beijos,

Bel ❤️